Ministério da Saúde, em parceria com o ITP, Unit e Lacen, promove capacitação de técnicos para identificação de vetores da Doença de Chagas

16/11/2021

Com o objetivo de capacitar e atualizar técnicos que atuam na identificação de triatomíneos, insetos vetores da doença de Chagas, popularmente conhecidos como barbeiros, o Ministério da Saúde, em uma parceria com pesquisadores da Unesp de Araraquara, Universidade Tiradentes, Instituto de Tecnologia e Pesquisa-ITP e Lacen, realizou treinamento de profissionais que atuam no Laboratório Central de Saúde Pública – Lacen.

“Além de capacitar, a ideia é permitir que esses profissionais atuem como multiplicadores para ações em nível municipal. A partir dessa rede de pesquisa e colaboração científica foi criado um guia com fotos e informações atualizadas para identificação do inseto e uma classificação espacial sobre onde os vetores podem ser encontrados no Estado. Essa publicação, que se configura em capítulo de um livro, será distribuída a todos as Secretarias de Saúde do Estado, assim como aos Programas de Controle da Doença de Chagas (PCDCh) em Sergipe”, explica a professora Cláudia Moura de Melo do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Ambiente da Unit e pesquisadora do ITP, no Laboratório de Doenças Infecciosas e Parasitárias, que trabalha em pesquisas nessa temática desde 2008.

De acordo com Rafaela Albuquerque e Silva, consultora técnica do Ministério da Saúde na área de entomologia esse é um programa permanente do Ministério da Saúde, lotado na coordenação geral de Zoonoses e de doença de transmissão vetorial.

“A capacitação busca fortalecer a vigilância entomológica em termos estaduais para identificação dos triatomíneos que são os transmissores da doença de Chagas. Além disso, tentar definir os possíveis desdobramentos a partir dessa identificação, principalmente para que a gente consiga dar suporte à população que está sob o risco de ter a doença de fato”, explica.

“A Unit foi fundamental, principalmente no fornecimento da infraestrutura adequada. A participação da universidade fortalece muito e traz a possibilidade de trazermos esses cursos para o Estado de Sergipe. Vale destacar ainda o trabalho desenvolvido no ITP. Não fosse essa linha de pesquisa não conseguiríamos fazer com tanta maestria essa parceria entre o público e o privado”, reitera.

Karine Dantas Moura, gerente do Lacen, reconhece a relevância da capacitação aos profissionais. “É muito importante porque quanto mais profissionais treinados especificamente, mais poderemos oferecer esse serviço à população sergipana. O Lacen é uma instituição de portas abertas e qualquer pessoa, de qualquer município pode nos enviar amostras. Fazer a identificação dos vetores, identificar áreas é importante para evitar a disseminação da doença de Chagas em nosso estado”, ressalta.

Curso

O doutor em Biociências e Biotecnologia Aplicadas à Farmácia, Jader de Oliveira, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo - USP, foi convidado pelo Ministério da Saúde para ministrar o curso. O pesquisador desenvolve um trabalho técnico na universidade pública direcionado para as capacitações e ensinamentos desses grupos que necessitam de atualizações e aprendizado.  Jader de Oliveira foi um dos organizadores do guia de identificação de triatomíneos em Sergipe, elaborado com figuras, mapas de distribuição das espécies, escala de importância vetorial e descrição dos aspectos biológicos e ecológicos, que tem por intuito contribuir com a vigilância entomológica e epidemiológica da Doença de Chagas, assim como subsidiar informações para as ações de controle dos vetores no Estado.

 “O guia que apresenta as espécies de Sergipe é uma obra que vai servir como referência para quem for atuar no campo de entomologia. A publicação, produzida em colaboração entre o grupo de pesquisa da USP junto com o ITP/Unit, fortaleceu a integração dessa pesquisa com um objeto para aplicabilidade no Ministério da Saúde. Então, o fortalecimento dessa rede é muito importante visando o conhecimento e identificação e controle desses insetos vetores”, pontua.

Doença de Chagas em Sergipe

A doença de Chagas (DC) é apontada como um problema de saúde pública na América Latina. A partir dos registros do Ministério da Saúde, a região do nordeste brasileiro é considerada preocupante em relação à doença de Chagas, por contar com grande número de insetos vetores (triatomíneos) e as condições de vida da população humana, principalmente nas zonas rurais.

“A doença de Chagas é uma enfermidade muito antiga, já faz mais de cem anos da sua descoberta. Desde 2005, o Brasil recebeu a certificação de que estava livre da doença por transmissão vetorial. Na atualidade, dentro da nossa fauna são 66 espécies de triatomíneos que são capazes de transmitir a doença e temos lutado para manter essa vigilância ativa”, informa Rafaela Albuquerque e Silva, consultora técnica do Ministério da Saúde.

No Instituto de Tecnologia e Pesquisa-ITP, a pesquisadora Cláudia Moura Melo, desenvolve trabalho investigativo voltado à Doença de Chagas desde 2008.

“Os estudos iniciais foram desenvolvidos na região do centro-sul do Estado, que foi o primeiro projeto financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe – FAPITEC/SE e depois tivemos outras três pesquisas com financiamento de órgãos de fomento nacionais e estaduais. No atual, estamos propondo mapear em Sergipe quais são as áreas e fatores de risco para população, além das espécies de triatomíneos. Buscamos a situação epidemiológica, ecológica e de saúde contemporânea da Doença de Chagas no estado”, informa.

De acordo com a pesquisadora, é preciso ficar alerta quanto à infecção porque os sintomas da doença podem demorar a aparecer. “A doença de Chagas é considerada uma doença negligenciada. Em muitos casos, é uma enfermidade silenciosa, que pode demorar anos para apresentar sintomas, sejam manifestações cardíacas e/ou digestivas, e cujo estágio crônico já não permite mais a cura total do paciente. Nesse caso, a orientação é a melhoria das condições de vida destes pacientes, com monitoramento constante. Por isso, torna-se importante todas as estratégias de identificação de áreas de risco de infecção humana, com medidas profiláticas pertinentes e diagnóstico precoce. Todos os profissionais envolvidos com o controle de endemias – inclusive a Doença de Chagas - precisam ser permanentemente capacitados sobre a dinâmica da transmissão e sobre a identificação taxonômica, o que pode propiciar ações de controle vetorial mais rápidas e efetivas”, finaliza.

 



Veja Mais

Instituto de Tecnologia e Pesquisa recebe visita do Ministro da Educação

Instituto de Tecnologia e Pesquisa recebe visita do Ministro da Educação

30/11/2021 - O Instituto de Tecnologia e Pesquisa-ITP, unidade de pesquisa científica, tecnologia e inovação do Grupo Tiradentes, fo...

Pesquisadora do ITP representa América Latina em Programa da Fundação Carolina, na Espanha

Pesquisadora do ITP representa América Latina em Programa da Fundação Carolina, na Espanha

22/11/2021 - A pesquisadora do Instituto de Tecnologia e Pesquisa e professora do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Industr...

Colaboradores do ITP declaram apoio ao Outubro Rosa

Colaboradores do ITP declaram apoio ao Outubro Rosa

20/10/2021 - No dia D da campanha Outubro Rosa, colaboradores do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP) aderiram ao movimento "Vista essa ideia". Nesta...

Pesquisador do ITP receberá título de cidadão sergipano 

Pesquisador do ITP receberá título de cidadão sergipano 

19/10/2021 - O reconhecimento de uma carreira consolidada e de importantes serviços prestados à sociedade sergipana. O pesquisador do Insti...