“Estar na ABIPTI é o resultado do meu amor pela ciência”

10/08/2020

Por Andréa Moura

Uma vida dedicada à Ciência, Tecnologia e Inovação, tanto como pesquisador das áreas de quimioterapia antiparasitária e oncologia, quanto como gestor, tem gerado bons frutos ao Dr. Diego Menezes, que atualmente exerce os cargos de Presidente do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP); Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Tiradentes (UNIT); Representante Nacional das Instituições de Ensino Superior Privadas do Brasil e membro de conselhos de administração de entidades de grande importância como a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de Sergipe; de Parques Tecnológicos e de Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs), dentre outras agências de fomento nacionais e internacionais.

Além dos vários desafios acumulados, no último dia 28 de julho Dr. Diego foi eleito, por ampla maioria, como Vice-Presidente da Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (ABIPTI) - representando a região Nordeste. A ABIPTI foi criada em 1975, reúne Instituições, Empresas públicas e privadas, e está presente em todos os estados da Federação e no Distrito Federal, onde encontra-se a sede. A entidade tem como missão principal assessorar o Congresso Nacional nas tomadas de decisões estratégicas na área de CT&I, bem como representar e promover a participação dessas entidades no estabelecimento e na execução de políticas voltadas para o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, possuindo estreita parceria com os Conselhos Nacionais e Fundações de Amparo, além do Fórum de Secretários Municipais da Área de C&T. Conversamos com o Dr. Diego Menezes sobre mais este novo desafio profissional, e aproveitamos para falar um pouco sobre a paixão dele pela área da gestão, mesmo tendo formação na área da saúde. Os principais trechos desta conversa você confere a seguir:

ASCOM ITP - Estando ligado a várias e importantes entidades que atuam na área de C&T, qual a relevância em assumir mais este novo desafio?

DIEGO MENEZES –  Ser eleito para a Vice-presidência da ABIPTI representando a região Nordeste é motivo de imensa alegria, pois, estou recebendo mais uma importante oportunidade de poder contribuir para o sistema de ciência, tecnologia e inovação do nosso país. A ABIPIT tem como principal função estabelecer o diálogo entre a ciência e a tecnologia, ou seja, prover, de fato, a inovação. A Associação conversa com os setores acadêmico e produtivo, então, o papel que ela possui dentro do cenário nacional e internacional é exatamente o de prover estímulos para que a pesquisa consiga “sair da bancada”, do conhecimento básico, e seja transformada em produtos e processos que serão inseridos no mercado para gerar benefícios à sociedade. A ABIPTI atua de forma muito efetiva através da capacitação de recursos humanos, do assessoramento ao Congresso Nacional, com quem dialoga intimamente por meio da Comissão Mista Especial de Ciência, Tecnologia e Inovação oferecendo apoio técnico-cientifico para que os parlamentares possam tomar as decisões mais assertivas em prol do desenvolvimento cientifico nacional, além de possuir forte relacionamento com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Além de tudo isto, também conecta diversas entidades de empreendedorismo e inovação de grande relevância nacional e reúne um banco de oportunidades para prover um frutífero diálogo entre a necessidade social (Mercado) e a geração de conhecimento (Academia).

AITP - A ABIPTI está muito ligada ao governo Federal, porém, não faz parte dele, correto?

D.M. – A ABIPTI é bem consolidada e reúne os principais atores do ecossistema público, privado e de terceiro setor de C,T&I, porém, tem identidade autônoma. Desde a criação ela tem participado de grandes marcos nacionais. Teve, por exemplo, assento e contribuição direta no Marco Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação; vem realizando treinamentos e capacitações, no âmbito nacional, de gestores, pesquisadores e técnicos. No ano passado promoveu a 1ª Missão Técnica Internacional Brasil e Israel, proporcionando vivência de vários gestores brasileiros naquele país para que pudessem conhecer um pouco do ecossistema empreendedor israelense, que é referência mundial. Para o próximo biênio, (2020/2022) a gestão, que continua sob a presidência do Dr. Paulo Foina, pois, fora reeleito no último dia 28 de julho, tem um plano de trabalho bem definido. Um dos pontos mais relevantes é a reunião das plataformas e criação de um portal que agregará as principais tecnologias desenvolvidas no âmbito nacional para que o segmento privado possa acessar e incorporar essas tecnologias.

AITP - Em algumas áreas do conhecimento o Brasil se destaca na produção científica, porém, isto não tem reverberado muito na questão tecnológica. A que isso se deve?

D.M. – O Brasil possui grande destaque nacional e internacional pela qualidade da produção cientifica, mas, o País ainda se encontra muito aquém do potencial que possui, face à grande diversidade territorial, a biodiversidade e riqueza cultural que possui e, sobretudo, ao potencial criativo do nosso povo. Esse “amadurecimento” tecnológico é totalmente compreensivo, pois, a inovação passou a fazer parte das nossas agendas estratégicas mais acentuadamente a partir de 2004 com a vigência da Lei 10.973, que estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo com vistas à capacitação tecnológica, ao alcance da autonomia tecnológica e ao desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional do País. Assim, algumas áreas foram impulsionadas e vêm contribuindo para o avanço inovador da Nação. Neste momento de quadro pandêmico (COVID-19), por exemplo, o País tem dado contribuições importantes em termos de conhecimento científico, porém, percebemos que, infelizmente, o Brasil ainda não tem uma proposta genuína de vacina, apenas participa de alguns estudos internacionais, porém, não como protagonista da descoberta.

AITP - Isto poderia ser resultado da “pouca idade” do País no quesito inovação?

D.M. - Sabemos que ainda somos muito jovens na área da inovação, que geramos, registramos e protegemos muito conhecimento, só que transferimos e licenciamos pouca tecnologia e o nosso maior desafio, enquanto membro da diretoria da ABIPTI é justamente este: ajudar a impulsionar as transferências e licenciamentos de tecnologia, pois, algumas lacunas devem ser superadas para que, de fato, o Brasil esteja mais apto a aumentar a capacidade produtiva com valor agregado. Para tanto, uma das ações junto à ABIPTI é justamente entender, identificar e dialogar sobre os gargalos existentes. Neste ponto, o cargo que assumo converge para outro que também exerço, mas, que é mais vocacionado para o âmbito acadêmico: o cargo de representante do segmento privado dentro do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pós-Graduação e Pesquisa, o FOPROP. Através do Fórum temos a oportunidade de dialogar com a Academia, e agora, por meio da ABIPIT, teremos a oportunidade de dialogar com o segmento produtivo. Por isso, creio que meu principal desafio do ponto de vista de contribuição para esta gestão, seja justamente o de impulsionar esse diálogo entre a Academia e o setor produtivo.

AITP - Como Vice-presidente da ABIPTI representando a região Nordeste, e pelo seu caminhar na área da ciência, o senhor já possui relacionamento com algumas entidades científicas da regional. Como planeja estar mais perto delas e trazer para o âmbito da Instituição as que ainda não estão?

DM - Uma das funções da ABIPTI é a promoção de cursos e capacitações a partir de um planejamento nacional que será direcionado pelo nosso presidente. Teremos ações regionais e elas partirão de um diagnóstico feito junto às entidades associadas e, posteriormente, ampliando o estudo para alcançarmos as entidades que ainda não estão associadas e podem agregar valor para uma representação maior, sobretudo, da região Nordeste. O pensamento da gestão não é segmentado por região, porém, a segmentação na hora das ações ocorrerá para que haja maior efetividade de diálogo e atenção às regionais, afinal de contas, cada uma tem sua peculiaridade cultural, desafios que lhes são próprios e, para dar devolutivas às regionais é necessário entender quais são os principais desafios de gestão, dos empreendedores, e trabalhar junto a essas instituições para impulsionar a inovação no âmbito social. Porém, os pensamentos e as ações da ABIPTI são sinérgicos e a convergência é sempre para a realização de políticas nacionais. Outro aspecto bem importante que converge com esta necessidade é o fato de ter tido, ou melhor, de ainda ter, grande atuação junto ao FORTEC, que é o Fórum Nacional de Inovação e Transferência de Tecnologia, do qual sou docente do Mestrado Acadêmico, o PROFINIT, um programa formado por uma rede nacional de ciência, tecnologia e de inovação, e acredito que conseguiremos colocar diferentes atores do mesmo cenário para dialogar entre si. Nosso principal papel é criar um ecossistema sinérgico no âmbito nacional, como é enfatizado pelo Presidente, Dr. Paulo Foina.

AITP - Em Sergipe, a ABIPTI tem quatro instituições associadas: o ITP, o ITPS, a FAPITEC e a Embrapa. Pelo que o senhor conhece da C&T Sergipe, existem muitas entidades, indústrias ou empresas que possam ser agregadas?

D.M.- Sim! Tem o SergipeTec, que é o nosso parque tecnológico estadual, além de uma cadeia empresarial exportadora muito grande, como de minério e de frutas, sem falar cadeia de Petróleo e Gás Natural, especialmente com a chegada da Celse a Sergipe. O papel da ABIPTI é, também, o de capacitar empresas para impulsioná-las ou criar oportunidade de diálogo com empresas correlatas para ampliação de relacionamentos.

AITP - Na sua opinião, o que te habilitou a assumir um cargo tão importante?

D.M. - A gente precisa considerar não apenas a minha trajetória, mas, também, todas as instituições nas quais já atuei e nas que estou atualmente. A Fundação Oswaldo Cruz me deu todo o alicerce de formação acadêmica; a Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública possibilitou que tivesse uma ação mais próxima do FORTEC, das Câmaras Técnicas de Ciência, Tecnologia e Inovação, e de órgãos correlatos. Mais recentemente, desde 2016, o Grupo Tiradentes me deu a oportunidade de presidir o Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP),  entidade de grande reconhecimento nacional e internacional, além de estar como Pró-Reitor da Universidade Tiradentes (UNIT), o que me permitiu ingressar, através de eleição, no FOPROP. Para além disso, em Sergipe, também faço parte dos Conselhos de Administração da SEDETEC, do ITPS, do SergipeTec e da FAPITEC. Portanto, tal trajetória vem sendo construída degrau por degrau e ainda há um longo caminho a ser percorrido, mas, é importante olhar para trás e perceber que algumas contribuições foram feitas nos âmbitos local e nacional através de representação nas comunidades nas quais atuamos em prol da defesa da ciência, tecnologia e inovação, e essa identificação pessoal me acompanha em todas as ações, em toda as oportunidades que tenho em poder contribuir para o desenvolvimento da área. Hoje, participo de um grupo de trabalho de extrema relevância na CAPES, onde estamos discutindo os novos indicadores nacionais para os programas de fomento à pesquisa e de formação de recursos humanos. Assim tem sido ao longo desses 20 anos de dedicação, desde quando entrei na FIOCRUZ e até hoje, no Grupo Tiradentes. Espero poder continuar aprendendo e compartilhando o aprendizado na área de C,I&T por muitos anos.

AITP - Professor de programas de Mestrados e Doutorados, conselheiro de diversas entidades de C&T, Pró-Reitor de uma das maiores universidades particulares do País e presidente do ITP. Como o senhor consegue dar conta de todas essas atividades e equilibrá-las com a vida pessoal?

D.M. - O maior desafio está nisto, em conciliar todas as ações profissionais e a vida pessoal. Mas, no âmbito profissional, todas estas atividades são sincrônicas porque têm a mesma premissa, que é a vocação e a atenção à pesquisa, à ciência e à tecnologia. Então, partindo deste princípio, são apenas oportunidades de dialogar sobre o mesmo assunto com diferentes atores, em diferentes cenários e aprender a cada dia. O que há de mais rico nessa atuação é exatamente ouvir, conviver e aprender com pessoas que estão devotadas a diferentes segmentos da estrutura estadual e nacional, porém, todas pensando exatamente em prol do mesmo assunto. Claro que por vezes isso acaba fazendo com que, em determinados momentos da nossa vida, a gente dê atenção maior à vida profissional e leve a pessoal para um plano adjacente, mas, quando existe amor e vocação não olhamos apenas como trabalho, mas, como identificação, como um dos prazeres que a vida oferece. Então, entendo e concilio muito bem a minha vida profissional e pessoal, de estar perto da minha família que é meu bem mais precioso e meu pilar maior, de onde vêm os meus valores. Além disso, sou sempre inspirado pela presença de Deus na minha vida e, antes que alguém se questione, sou cientista e acredito em Deus, porque, para mim, a ciência e Deus estão muito próximos, na verdade, ela não o renega, pelo contrário ajuda a compreender sua presença nas mais variadas religiões. Enfim, a nossa vida é composta por fases e, em cada uma delas, para cada momento, temos que traçar objetivos. Neste momento o meu maior objetivo é o de consolidar minha carreira profissional, e oportunidades como a de fazer parte da ABIPTI são provenientes de todo empenho, dedicação e esforço que tenho feito, de domingo a domingo. em prol da minha vocação.

AITP - Estar, aos 34 anos  de idade, com tantas e importantes atribuições, não é algo que te deixa tenso, em alguns momentos?

D.M. - Apesar de ter 34 anos comecei minha carreira aos 14 anos e a FIOCRUZ foi o meu berço. Enquanto vários colegas empinavam pipa e jogavam bola eu estava aprendendo a usar um microscópio eletrônico e dedicando meus sábados, domingos e feriados à vida científica, porque, quem trabalha para e pela ciência não tem hora e dia para descansar. É uma identificação e uma filosofia de vida. Apesar de o meu doutorado ter sido na área de Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa, não quis seguir a área de Saúde porque desde muito cedo me identifiquei com a área científica vocacionada à gestão, e acredito que podemos contribuir de maneira significativa para a ciência estando de jaleco ou substituindo o jaleco por um paletó e gravata, mas, trazendo a mesma responsabilidade e a mesma bagagem norteadora de uma formação sólida na área de saúde, que prima pela vida e bem-estar. Até antes de vir para Sergipe conseguia conciliar minha carreira de gestor à de pesquisador, me dedicava as áreas de quimioterapia antiparasitária e oncologia. A partir do momento que ingressei no Grupo Tiradentes percebi que precisaria fazer uma escolha e decidi dar dedicação plena à área da gestão. Acredito que por ter tido experiência prática, por ter vivido o “chão de fábrica” no âmbito da pesquisa científica da saúde, isso me permita tentar ser um gestor que não pensa apenas na teoria, mas, que consegue nas discussões imaginar o ponto de vista prático, enxergar como aquela decisão que está sendo discutida será operacionalizada na vida real e, com isso, tentar ajudar a propor modelos mais reais, só que mantendo a premissa da qualidade.

AITP - Falando em aliar a teoria à prática, uma das principais reclamações da comunidade científica brasileira está relacionada ao pouquíssimo financiamento, à falta de bolsas e de verbas para se fazer ciência. Você acredita que um dos papeis que a ABIPTI possa desempenhar seja o de buscar, junto ao setor produtivo, mais parcerias para que haja, por parte deles, mais financiamento à ciência.

D.M. – Sem dúvida que um importante papel será o de reforçar, junto ao segmento produtivo, a importância do conhecimento científico e, além disso, o de aprimoramento das leis nacionais e estaduais para que estas possam encontrar meios de valorizar a ciência. A ABIPTI é um órgão consultor do Congresso Nacional e isso ajudará a trilhar esse caminho. Um grande desafio é continuar trabalhando para que o nosso arcabouço legal se torne mais atraente para o segmento produtivo, e que a gente consiga, futuramente, trazer um pouco das experiências dos países mais desenvolvidos, nos quais a maior parte das empresas e indústrias tem ações importantes de fomento e promoção da ciência, da tecnologia e da inovação. Compreendemos que é de responsabilidade governamental a garantida básica do fomento à área, mas, entendemos também que o setor produtivo pode atuar e usufruir mais de todo o conhecimento que é gerado na Academia em prol da competitividade nacional e internacional. Ainda somos um País muito dependente do agronegócio e, de fato, esta é uma vocação do Brasil até pela extensão territorial que possuímos, e isto não é errado, só que, quando aliamos tecnologia às atividades agropecuárias e agroindustriais passamos a agregar mais valor aos bens importados. Hoje, vendemos café para países que não plantam um só “pé” de café, mas, que possuem a tecnologia necessária para transformar o grão em uma cápsula e revendê-la para nós a um preço extremamente mais elevado do que o da nossa matéria-prima, porque são países que compreenderam a importância da tecnologia e se vocacionaram estrategicamente para a indústria de transformação e não de manufatura. Acredito que uma das atuações junto à ABIPTI será, justamente, difundir nossa Lei de Inovação, que oferece vantagens significativas tanto para o setor investidor, pela incorporação de várias tecnologias e aumento da competitividade internacional, quanto para a ambiência acadêmica, que terá a ampliação das possibilidades de acesso a fomento para o desenvolvimento das pesquisas.



Veja Mais

Tecido cardíaco produzido com nanopartícula de ouro pode ser alternativa para reduzir mortes por infarto

Tecido cardíaco produzido com nanopartícula de ouro pode ser alternativa para reduzir mortes por infarto

04/09/2020 - Inspirar as pessoas a ampliar horizontes por meio do desenvolvimento e da transferência do conhecimento, de tecnologias, produtos e se...

Iniciação Científica pode ser fator decisivo no momento de escolha da futura profissão

Iniciação Científica pode ser fator decisivo no momento de escolha da futura profissão

24/08/2020 - Estar em contato com a pesquisa científica desde os primeiros anos do curso de graduação é importante para desco...

Webinar discute o cenário nacional da prestação de serviços ambientais

Webinar discute o cenário nacional da prestação de serviços ambientais

07/08/2020 - A Rede Nacional de Monitoramento Ambiental (Renama), que é coordenada pelo Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP) e fomentada com r...

Ex-Iniciação Científica do ITP tem artigo publicado na Revista Science

Ex-Iniciação Científica do ITP tem artigo publicado na Revista Science

28/07/2020 - Por Andréa Moura Há 21 anos o Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP) vem auxiliando na descoberta de novos talentos para a ...