Esgotos e efluentes industriais sem tratamento estão entre os principais poluidores da água

25/03/2021

Nesta semana da água 2021, alertas importantes foram feitos pelas Organização das Nações Unidas (ONU) através do relatório mundial sobre o desenvolvimento dos recursos hídricos (2021) intitulado “O valor da água”. O documento afirma que reconhecer, medir e expressar o valor da água e incorporá-lo na tomada de decisões são fundamentais para alcançar a gestão sustentável e equitativa dos recursos hídricos, e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

O relatório chama a atenção para o valor da água em várias situações, como frente ao Meio Ambiente, uma vez que é para ele que toda a água captada pelo ser humano retorna junto com outras impurezas adicionadas a ela. “A interface meio ambiente–água pode ser administrada de forma proativa para enfrentar os desafios hídricos por meio das chamadas “soluções baseadas na natureza”.

Os estudos da ONU mostram que o estresse hídrico, que é a relação entre o uso da água em função do suprimento disponível, tem afetado diversas partes do planeta e atingido mais de dois bilhões de pessoas. A ONU estima que quatro bilhões de pessoas vivem em áreas com grave escassez física de água por pelo menos um mês no ano; que 1,6 bilhão enfrenta escassez econômica de água, ou seja, embora este bem natural possa estar disponível, fisicamente, não há infraestrutura necessária para que as pessoas tenham acesso a ele.

“Vários dos principais aquíferos mundiais estão sob estresse hídrico crescente, e 30% dos maiores sistemas de água subterrânea estão se esgotando, sendo a captação de água para irrigação o principal fator de esgotamento das águas subterrâneas em todo o mundo”, informa o relatório. Diante destas informações, conversamos sobre o tema, voltado para a situação no Brasil, com a Dra. Maria Nogueira Marques, pesquisadora do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP).

Dra. Maria Nogueira Marques

Maria Nogueira é doutora em Tecnologia Nuclear pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares; membro titular do Fórum Sergipano de Comitês de Bacias Hidrográficas; secretária geral do Comitê da Bacia Hidrográfica no Rio Piauí e especialista no Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco.

Confira, a seguir, um trecho da entrevista concedida:

INSTITUTO DE TECNOLOGIA E PESQUISA - Uma das grandes preocupações mundiais está ligada à água, tanto na questão da quantidade disponível para uso humano, que cada dia se torna mais escassa, quanto no quesito qualidade do que é consumido pela população. Quais os parâmetros minimamente aceitáveis que a água para consumo humano deve possuir?

MARIA NOGUEIRA MARQUES - Inicialmente, temos que nos preocupar com a água para a manutenção da vida como um todo, ou seja, termos água de qualidade para a manutenção do ecossistema. Pois, somente assim poderemos garantir a água em quantidade e qualidade. Quanto aos parâmetros de qualidade de água para o consumo humano, no âmbito nacional, a portaria de potabilidade estabelece mais de oitenta parâmetros microbiológicos, físicos, químicos orgânicos e inorgânicos, e organolépticos. Mas, de acordo com a diretriz nacional do plano de amostragem da vigilância da qualidade da água para consumo humano de 2014, do Ministério da Saúde, os parâmetros que compõe o plano de amostragem básico são turbidez, cloro residual livre de coliformes totais/Escherichia coli e fluoreto.

ITP - Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), no Brasil, mais de 17 milhões de pessoas não têm acesso à água potável. Apesar disso, o principal desafio do País é a qualidade e não a quantidade. A que isso se deve?

M.N.M. - São vários os fatores que influenciam a qualidade da água nos corpos hídricos, e podemos relacionar alguns, como a poluição por despejos de esgotos domésticos e efluentes industriais sem tratamento nos centros urbanos; contaminação por fertilizantes e agrotóxicos por fontes difusas no campo; e a presença de resíduos sólidos. Todos estes fatores acabam impactando a qualidade dos mananciais. Também não podemos esquecer que, em algumas regiões, as águas são salobras e a qualidade não é recomendada para o consumo humano. O tratamento da água, captada destes mananciais poluídos, normalmente requer uma Estação de Tratamento de Água (ETA) convencional e uma rede de distribuição da água tratada, bem como o controle dos parâmetros determinados pela portaria de potabilidade. Este processo gera um custo elevado que é pago pela maioria dos consumidores, o que inviabiliza ou dificulta o acesso à água potável pela população mais carente e comunidades vulneráveis.

ITP - Como alcançar esse índice mínimo de potabilidade?

M.N.M. -  Filtrando, clorando (adição de cloro) e fazendo a análise microbiológica (coliformes totais / Escherichia coli) para garantir a qualidade microbiológica da água para consumo humano e analisar a quantidade do flúor, por seu significado de saúde em função de deficiência ou excesso, pois, a Lei N° 6.050, de 24 de maio de 1974, estabelece a adição e controle do flúor na água em sistemas de abastecimento, quando existir Estação de Tratamento.

ITP - Quais os principais fatores poluentes da água e como eles podem ser evitados?

M.N.M. -  Os principais fatores são a poluição por despejos de esgotos domésticos e efluentes industriais sem tratamento nos centros urbanos; contaminação por fertilizantes e agrotóxicos por fontes difusas no campo; e a presença de resíduos sólidos. Eles podem ser evitados com a coleta e tratamento dos esgotos domésticos; o cumprimento da resolução CONOMA n° 430, de 13 de maio de 2011, que dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes e a implantação da Lei 12.305/2010 - Política de Resíduos Sólidos, que dispõe sobre os objetivos, instrumentos e as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, além das legislações que controlam o uso e aplicações de agrotóxicos nas plantações.

ITP - Quem mais sofre com os reflexos do consumo de água poluída?

M.N.M. -  Ninguém deve, ou pelo menos deveria, consumir água poluída. A nossa legislação garante que a população deve receber água potável para o consumo. Mas, como algumas comunidades vulneráveis não têm acesso à água tratada e de qualidade, estas são as que mais sofrem com a falta de saneamento de forma geral, mas, principalmente, a falta do fornecimento de água tratada.

ITP - Quais os prejuízos diretos e indiretos causados pela poluição dos mananciais e bacias hidrográficas?

M.N.M. -  O prejuízo se inicia diretamente atingindo a fauna e a flora aquática, e reverbera em atividades tradicionais como a pesca. O excesso de matéria orgânica, nitrogênio e fósforo promove a eutrofização dos corpos hídricos, aumentando a produção de algas e cianobactérias que dificultam e aumentam os custos do tratamento da água. A falta ou precariedade do serviço de coleta e tratamento de esgotos também influencia diretamente na saúde das crianças e jovens que vivem em lares sem condições de saneamento, pois, estão sujeitas a infecções por doenças de veiculação hídrica, o que impacta nos custos da saúde. Estes são alguns dos prejuízos causados pela poluição dos mananciais.

ITP - Como saber se a água está própria para consumo humano e animal?

M.N.M. -  Para a dessedentação de animais deve-se analisar os parâmetros estabelecidos pela resolução CONAMA n° 357, de 17 de março de 2005, para a classe de água doce 3. Para o consumo humano deve-se analisar os parâmetros estabelecidos no anexo XX da Portaria de Consolidação Nº 5, de 28 de setembro de 2017, que trata sobre a “Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde”. Lembrando que a análise desses parâmetros é realizada no Laboratório de Estudos Ambientais do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (LEA/ITP), cujo Escopo é acreditado pela Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro para os serviços de análises de Meio Ambiente/ensaios químicos.

ITP - Qual o principal aprendizado que deve ser obtido com o Dia Mundial da Água, comemorado no dia 22 de março?

M.N.M. -  O dia mundial da Água foi estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) no ano de 1993 para conscientizar a população mundial para a importância da preservação dos bens naturais, principalmente, dos recursos hídricos, visto que a água é um recurso de grande importância para a vida. Atualmente, sabe-se que a água é um bem finito e a água doce está distribuída de forma desigual pelo planeta. Portanto, o uso racional e a preservação dos recursos hídricos são importantes para o equilíbrio dos ecossistemas.



Veja Mais

Instituto de Tecnologia e Pesquisa recebe visita do Ministro da Educação

Instituto de Tecnologia e Pesquisa recebe visita do Ministro da Educação

30/11/2021 - O Instituto de Tecnologia e Pesquisa-ITP, unidade de pesquisa científica, tecnologia e inovação do Grupo Tiradentes, fo...

Pesquisadora do ITP representa América Latina em Programa da Fundação Carolina, na Espanha

Pesquisadora do ITP representa América Latina em Programa da Fundação Carolina, na Espanha

22/11/2021 - A pesquisadora do Instituto de Tecnologia e Pesquisa e professora do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Industr...

Ministério da Saúde, em parceria com o ITP, Unit e Lacen, promove capacitação de técnicos para identificação de vetores da Doença de Chagas

Ministério da Saúde, em parceria com o ITP, Unit e Lacen, promove capacitação de técnicos para identificação de vetores da Doença de Chagas

16/11/2021 - Com o objetivo de capacitar e atualizar técnicos que atuam na identificação de triatomíneos, insetos vetores da ...

Colaboradores do ITP declaram apoio ao Outubro Rosa

Colaboradores do ITP declaram apoio ao Outubro Rosa

20/10/2021 - No dia D da campanha Outubro Rosa, colaboradores do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP) aderiram ao movimento "Vista essa ideia". Nesta...